Notícias - OCPIT

 

Quarentena musical 

Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí oferece orientações online aos jovens instrumentistas durante o isolamento

Apesar das limitações do isolamento social por conta da Covid-19, os jovens instrumentistas da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí - OCPIT seguem tendo aulas de música, adaptadas, porém, às condições da quarentena. Com os instrumentos em casa, os estudantes têm recebido orientações online dos professores e mantêm seus estudos individuais, de teoria e prática instrumental. Estão impedidos apenas da prática orquestral, porque esta requer a coletividade. As dificuldades são inevitáveis, desde as limitações de acesso à internet para alguns ao desafio de praticarem sozinhos em casa, em um ambiente diferente das salas do Palácio Itaboraí, onde eles costumam estar juntos de duas a cinco vezes por semana. Mas, desta experiência, os estudantes têm tirado novas perspectivas e a oportunidade, em muitos casos, de ter a família mais envolvida com a música clássica que eles praticam.

Segundo o maestro e coordenador da OCPIT, Celso Franzen Jr., estes encontros online não podem ser comparados e não substituem as aulas presenciais, mas são fundamentais para que os jovens músicos possam se manter estimulados e não fiquem totalmente distantes da prática habitual do instrumento. “Se eles param, perdem o que chamamos de coordenação fina. Embora alguns até reconheçam estarem evoluindo, nosso objetivo principal é mantê-los motivados e que não percam o que já adquiriram até agora. A música é uma prática que exige dedicação continuada. Se eles estiverem em dia com o trabalho individual, será muito mais fácil retomarmos com o coletivo, com nossa Orquestra, quando voltarmos”, explica Celso, acrescentando que há estudantes em diferentes níveis e todos estão sendo acompanhados, inclusive pela assistente social da OCPIT.

Como já fazia parte da rotina, os estudantes seguem tendo um tempo semanal diretamente com os professores, tanto para práticas individuais com seus instrumentos quanto para conteúdos de teoria musical; a novidade é que, durante este período de isolamento social, as aulas têm se sido adaptadas, já que vêm se utilizando dos meios tecnológicos para acontecerem. 

Jaqueline Rosa Moreira é professora de violino da OCPIT e tem feito vídeo-chamadas individuais com seus alunos pelo aplicativo multiplataforma whatsapp, além de gravar e recomendar vídeos com conteúdos complementares. Ela também passa tarefas e recebe deles vídeos com a execução dos trabalhos solicitados. No encontro seguinte, ela dá retornos com sua avaliação. “Tem funcionado bem para a maioria, principalmente para os alunos mais velhos, que já dominam mais o instrumento. De forma geral, eu os percebo engajados e contentes em fazer as atividades propostas, até porque estão cansados de ficar em casa e assim têm uma ocupação, uma vez que as aulas das escolas municipais em que estudam ainda não voltaram, nem de forma virtual” conta Jaqueline. Além das orientações técnicas, propriamente, a professora tem marcado encontros virtuais coletivos com seus alunos, para apoiá-los emocionalmente e ver como estão passando: “É quando reunimos o grupo todo, pelo menos todos aqueles que tocam violino comigo, para buscarmos manter o vínculo e trocarmos ideias. Falo por mim e por eles também: estamos todos aprendendo a dar valor ao que temos!”, destaca Jaqueline.

“O que eu mais sinto falta são os encontros orquestrais. São mais de quatro anos indo pra lá quase todos os dias. É como se eu não estivesse encontrando parte da minha família. A saudade é a mesma. Sinto falta da Orquestra, dos ensaios, das pessoas”, conta Isabella Mariosa, 19 anos, que toca flauta transversal e é uma das veteranas da atual composição da OCPIT. Apesar da distância e da saudade, a jovem agradece a possibilidade de seguir tendo aulas de música online: “Eu achei ótimo ter continuado, para não perder o foco e o ritmo. Se pararmos, o nosso corpo esquece e a cabeça enlouquece um pouco. E ter o professor, as tarefas, isso não nos deixa relaxar e faz com que pratiquemos. Além disso, a música é meu refúgio. E, neste período de isolamento, é onde consigo ter o meu espaço e meu tempo”, conclui Isabella, que está se preparando para este ano fazer o Teste de Habilidade Específica – o THE, exame requerido para ingressar na faculdade de música, onde ela pretende cursar bacharelado em flauta.

Para alguns alunos, o acesso à internet tem sido o principal limitante, às vezes até impeditivo para participar destes encontros de orientação musical online. Para outros, o desafio está mesmo em se adaptar a um aprendizado sem a presença dos professores, como é o caso do Ricardo Corvello, de 17 anos, que toca contrabaixo acústico, estuda no Colégio Estadual Dom Pedro II e está há quatro anos na OCPIT. “No início foi difícil e eu até pensei em desistir dessa ideia de aula online. Minha internet não é muito boa, mas isso até vou contornando. O problema maior foi conseguir me acostumar sem o Luiz Felipe, porque com ele por perto eu fico mais seguro de tocar as coisas certas. Mas ele começou bem devagar e eu fui me adaptando. Não achei que as aulas dariam certo, mas depois de um mês, tanto eu quanto ele nos esforçando, posso dizer que hoje está sendo bom. Estamos abordando conteúdo praticamente como se eu estivesse tendo aula presencial. E agora já ganhei mais velocidade nos exercícios, consigo executar mais rápido e tenho praticado até mais, pelo menos duas horas por dia, até porque estou com o meu instrumento por perto”, comemora o jovem instrumentista, contente por estar com o contrabaixo em casa, pois, pelo tamanho, não conseguia transportá-lo com frequência, usando-o preferencialmente nos dias em que ia ao Palácio Itaboraí. Apesar das dificuldades iniciais, Ricardo mostra mesmo que contornou os problemas e vem transformando sua jornada nesta quarentena: “Eu acho que isso tudo vai me ajudar a aprender de outras formas no futuro, como vendo um vídeo, acessando outros conteúdos. Ter nossos professores, claro, mas saber também aprender sozinho, ser mais autodidata. Esse momento vai ficar gravado como uma experiência positiva de estudo à distância”, conclui.

Na casa da juveníssima Ludmila de Andrade, as notas que ressoam da sua flauta transversal envolvem e acalantam toda a família durante o isolamento social. Com 12 anos, Ludmila ingressou na OCPIT no início de 2020, já com experiência anterior de tocar flauta doce. Estudante do Liceu Municipal, Ludmila tem seguido com afinco os encontros online semanais, tanto os específicos de seu instrumento, quanto os de teoria musical. “Como não é um vídeo gravado, estamos presentes ao mesmo tempo eu e o professor, ele tem conseguido me mostrar onde estou errando e o que eu posso corrigir. Não conseguiria fazer isso sozinha. Então, com ele, mesmo online, estamos conseguindo avançar. Mas por estar distante, eu tenho que treinar o dobro para acertar a cromática”, conta a menina Ludmila, explicando que “cromática” é a escala sonora do instrumento e que a qualidade do som executado tem a ver com a posição correta da embocadura, ou seja, de como se sopra a flauta. 

O pai e a mãe de Ludmila gostam de acompanhar a prática da filha em casa e contam que a jovem instrumentista toca diariamente, pelo menos uma hora por dia, na parte da tarde. “Pra nós é agradável. Gostamos de música e sempre a incentivamos, pois sabemos dos benefícios e ela também começou a tomar gosto pela música. A aula está sendo excelente. É como uma escada, você sobe degrau por degrau. Ela aprende e pratica. E por isso avança”, explica o industriário Paulo Roberto de Andrade. “Estamos mais próximos da experiência dela de aprender música, porque estamos todos em casa neste período. Tê-la praticando ajuda toda a família, porque a música traz alento nesse momento difícil. A música toca o coração das pessoas”, complementa, emocionado, o pai.

Atividades da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí estão suspensas

O Fórum Itaboraí decidiu suspender todas as atividades da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí – OCPIT pelo período de 15 dias, a partir de 17 de março de 2020.

A medida acompanha a decisão do poder público de suspender as aulas nas escolas municipais e estaduais de Petrópolis. O objetivo é diminuir a circulação de pessoas como forma de minimizar a possibilidade de contágio e disseminação do coronavírus.

 

O mercado de trabalho na música clássica é tema de palestra gratuita no Palácio Itaboraí

O músico e pesquisador Lipe Portinho falará sobre as oportunidades da carreira

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí – OCPIT recebe no próximo dia 06 de março, de 15h às 17h, o músico contrabaixista e pesquisador Lipe Portinho para a palestra "O músico existencial: o mercado de trabalho na música". Com entrada franca, a palestra tem o objetivo de trazer luz às possibilidades de carreira que um profissional de música clássica pode seguir depois da formação superior. 

Segundo Celso Franzen Jr., maestro e coordenador da OCPIT, é comum para as pessoas que entram para a faculdade de música terem uma expectativa restrita de tornar-se um concertista, que, segundo ele é apenas um dos diversos caminhos possíveis. “Não foi diferente comigo, que entrei na faculdade às escuras, ainda sem saber exatamente quais as possibilidades a profissão poderia me oferecer e fui aprendendo na prática o mundo que pode ser aberto para o profissional de música clássica”, conta o regente, que entende que esta carreira ainda está amadurecendo no Brasil, principalmente no que se refere às políticas públicas para o segmento.
 
O conteúdo da palestra de Portinho faz parte de um estudo do músico a respeito do mercado de trabalho e é direcionado a qualquer pessoa que possa se interessar pelo assunto. “Para nossos instrumentistas da Orquestra e seus familiares, sem dúvidas, é uma rara oportunidade, uma vez que nosso propósito é oferecer formação orquestral, humanista e profissionalizante a estes jovens e conteúdos como este possibilitam visualizar caminhos futuros dentro da realidade da carreira”, explica Celso.
 
Embora aberta ao público, a palestra requer inscrição prévia, que pode ser feita pelo telefone (24) 2246-1430. As vagas são limitadas. O Palácio Itaboraí fica na Rua Visconde de Itaboraí, 188 – Valparaíso – Petrópolis- RJ
 

Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí recebe doações a partir do IR de pessoa física

Plataforma online traz o passo-a-passo de como doar

Pessoas físicas que admiram a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí dispõem de mais uma forma de contribuir com o trabalho de cidadania e transformação através da música, que há seis anos vem oferecendo formação orquestral, humanista e profissionalizante a  mais de 100 adolescentes e jovens da rede pública de ensino de Petrópolis.

 

Por meio da campanha IR que Transforma (www.irquetransforma.org.br), é possível doar até 6% do imposto de renda devido a pagar ou a restituir, com dedução fiscal de 100% do valor investido, para o projeto sociocultural. A campanha foi lançada pela Vice-Presidência de Gestão e Desenvolvimento Institucional da Fundação Oswaldo Cruz (VPGDI/Fiocruz), por meio de seu Escritório de Captação de Recursos, com o objetivo de dar ao cidadão o poder da decisão e a oportunidade de direcionar parte de seu imposto de renda devido a projetos socioculturais aprovados pela Lei de Incentivo à Cultura e idealizados pela Fiocruz, contribuindo efetivamente com ações em benefício da cultura do nosso país. O IR que Transforma dispõe de uma plataforma própria, com simulador (www.irquetransforma.org.br/#simulador)e o passo-a-passo para fazer a doação.

 

Caso esta aconteça até o último dia útil de 2019, o valor doado já poderá ser lançado na declaração do imposto de renda de 2020, no campo próprio de “doações efetuadas”, possibilitando o benefício da isenção.

 

Para conhecer mais sobre a Orquestra de Câmara do Palácio itaboraí, assista ao documentário em www.youtube.com/watch?v=kjeYKqG2J9s&t=1s

 

Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí apresenta concertos gratuitos de fim de ano no Cine Teatro do Museu Imperial

No repertório estão obras de grandes compositores, como Haendel, Gluck, Mozart, Tchaikovsky, Villa-Lobos, Guerra-Peixe, entre outros

Para encerrar a agenda de apresentação de 2019, nos dias 17 e 18/12, a OCPIT realiza seu já tradicional concerto no Cine Teatro do Museu Imperial, ambas as apresentações às 18h30. As apresentações são gratuitas mas as vagas são limitadas. Solicitações de reserva poderão ser feitas a partir de 02 de dezembro pelo telefone (24) 2246-1430.

Confira a programação dos 2 dias de apresentação:

Na agenda, estão apresentações na programação do Natal Imperial e no Circuito Música no Museu, no Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB

 

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí – OCPIT realizará quatro novas apresentações gratuitas e abertas ao público, em Petrópolis e no Rio de Janeiro, fechando a agenda do grupo em 2019. No dia 29/11, sexta-feira, às 15h, a Orquestra se apresenta na Sala Villa-Lobos, do Instituto Villa-Lobos da UniRio. No dia seguinte, 30/11, sábado, os jovens instrumentistas sobem ao palco na Praça da Liberdade, às 18h, integrando a programação oficial do “Natal Imperial”, promovido pela Prefeitura de Petrópolis.

Já no dia 04/12, quarta-feira, às 12h30, a OCPIT se apresenta em formação de camerata no Circuito Música no Museu, no CCBB, no Rio de Janeiro. Formada em 2018, com músicos mais experientes da Orquestra, a Camerata do Palácio Itaboraí conta atualmente com 13 jovens, tendo no repertório músicas eruditas de compositores brasileiros e estrangeiros, novos e consagrados, geralmente dispostas em ordem cronológica. E, para encerrar a agenda, nos dias 17 e 18/12, a OCPIT realiza seu já tradicional concerto no Cine Teatro do Museu Imperial, ambas as apresentações às 18h30. No repertório estão obras de grandes compositores, como Haendel, Gluck, Mozart, Tchaikovsky, Villa-Lobos, Guerra-Peixe, entre outros. As vagas para as apresentações do Museu Imperial são limitadas e solicitações de reserva poderão ser feitas a partir de 02 de dezembro pelo telefone (24) 2246-1430.

 

 

 

 

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí

Em funcionamento desde fevereiro de 2013, a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí é um Projeto Sócio – Cultural gratuito de formação de orquestra composto por um conjunto de aulas de teoria e harmonia, prática orquestral e instrumento. O Ciclo Básico do curso tem duração de 4 anos e conta com aulas três vezes por semana no período da tarde. Para àqueles estudantes que pretendem fazer nível superior em música, o projeto desenvolve um trabalho de preparação para o Teste de Habilidade Específica (THE), exigido junto ao Enem nas Universidades Públicas. Clique aqui para ver o documentário sobre a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí, produzido entre 2016 e 2017.

 

Processo Seletivo 2020

Destinado a estudantes matriculados na rede pública de ensino que estejam cursando prioritariamente entre o 7° ano do ensino fundamental e o 1° ano do ensino médio, o processo seletivo de 2020 irá selecionar novos alunos para os seguintes instrumentos: violino, viola de arco, violoncelo, contrabaixo acústico, flauta transversal e clarinete. A seleção ocorrerá em duas etapas, ambas no dia 30 de novembro: entrevista sócio-motivacional e avaliação geral de aptidões musicais, ambas no Palácio Itaboraí.

Nenhum teste de teoria musical será exigido e candidatos que não possuem instrumentos poderão participar da seleção normalmente.

 

Inscrições

As inscrições foram prorrogadas até 29 de novembro e poderão ser feitas de segunda a sexta-feira, de 08h às 17h, através do telefone (24) 2246-1430 ou na secretaria do Palácio Itaboraí localizado na Rua Visconde de Itaboraí, 188, no Valparaíso em Petrópolis.

Não realizaremos inscrições por e-mail.

 

Para agilizar o processo de inscrição, tenha em mãos as seguintes informações:

1-Nome completo e idade do candidato

2-Endereço

3-Bairro

4-Nome da Instituição de Ensino

5-Escolaridade (ano cursado em 2019)

6-Telefone Fixo

7-Telefone Celular

8-Já sabe tocar algum Instrumento?  Qual?

9- Para qual instrumento deseja se candidatar?

 

Para candidatos com menos de 18 anos também devem ser informados os seguintes dados:

1-Nome completo do responsável

2-Telefone celular do responsável 

3-Profissão do responsável 

 

Clique aqui para visualizar o material de divulgação do processo seletivo 2020.

 
Canal Saúde exibirá documentário sobre a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí
 
A Orquestra de câmara do Palácio Itaboraí é um projeto socio-cultural direcionado a jovens estudantes da rede pública de ensino que oferece um curso intensivo com aulas teóricas e práticas de música. O documentário apresenta o projeto à sociedade através de depoimentos de alunos, pais, professores e da equipe responsável pela orquestra de câmara do Palácio Itaboraí (OCPIT).
 
O documentário Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí: promovendo arte, cultura e saúde será exibido pelo Canal Saúde (Tv Digital 2.4, Rio de Janeiro e Brasília e Tv Digital 62.4 em São Paulo) nos dias 24 e 26 de setembro, às 23h.
 
O filme também está disponível em nosso YouTube.
 
Você também pode ver a programação de setembro do Canal Saúde clicando aqui.

ORQUESTRA DE CÂMARA DO PALÁCIO ITABORAÍ VISITA ESCOLA DE MÚSICA DA UNIRIO

Os jovens instrumentistas da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí – OCPIT visitaram o Instituto Villa-Lobos, a escola de música da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UniRio, dedicada ao ensino, pesquisa e extensão na área de música, nos níveis de graduação e pós-graduação. Durante a visita, os jovens assistiram a aulas de composição, harmonia de teclado, percussão e eletroacústica, esta última no estúdio de gravação da escola de música, além de um ensaio da Banda Sinfônica da Unirio.

Segundo Celso Franzen Jr., maestro e coordenador da OCPIT, esta atividade busca promover uma relação de aproximação com as universidades e faz parte da prática pedagógica da formação dos jovens. “As visitas às universidades que têm cursos de música de excelência, próximas a Petrópolis, certamente ampliam os horizontes destes jovens e os ajudam a tangibilizar sonhos. Porque, além de conhecerem um novo ambiente de formação e prática profissional, eles têm contato com professores e com diversos outros jovens que, como eles, também estudam música, mas em uma etapa que pode ser a deles em um futuro próximo”, conta Celso, lembrando que cinco jovens instrumentistas da OCPIT estão se preparando para o Teste de Habilidade Específica, o THE, requisito, além do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM, para o ingresso no ensino superior de música. “Além disso, nossos esforços em construir uma aproximação entre a Orquestra e as faculdades de música tem o propósito de fortalecermos a prática pedagógica e intercambiar possibilidades de aprendizado, com master classes, contatos com festivais de músicas, realização de encontros de orquestras, acesso a conteúdos atualizados para o THE e, futuramente, para monitorias de alunos dessas universidades junto à nossa orquestra”, complementa o maestro, acrescentando que a parceria com a UniRio já está em construção.

Gabriele da Silva Gomes tem 17 anos, estuda no Liceu Municipal Cordolino Ambrósio e há três anos e sete meses faz parte da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí, como violinista. Ela é uma das cinco jovens que deseja ingressar em um curso superior em música este ano. “Desde pequena, eu queria fazer algo com música, quando eu crescesse. Mas, na minha adolescência, essa ideia se dissolveu, pois não achava que música era uma faculdade que poderia possibilitar uma carreira, uma chance para quem vem de família de pouca renda, como eu. Aos 14 anos tive a oportunidade de ingressar na Orquestra e hoje tenho certeza do que eu quero e de que a música pode sim ser minha profissão”, conta Gabi, cujo sonho é ser violinista e professora de violino. Quando perguntada sobre a visita à UniRio ela responde efusivamente: “Visitar a escola de música da UniRio foi sensacional, é só isso que posso dizer! Conheci coisas que eu não conhecia no campo da música e foi muito agregador para mim, que quero levar a música como profissão. Abriu mais ainda minhas perspectivas. Antes eu só pensava em submeter para a UFJF [Universidade Federal de Juiz de Fora] e achei o campus apaixonante. Vou fazer o THE para UFJF, Unirio e UFRJ [Universidade Federal do Rio de Janeiro]”, conclui a jovem.

 

NOVO ESPAÇO PARA A ORQUESTRA DE CÂMARA DO PALÁCIO ITABORAÍ

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí – OCPIT conta com um novo e exclusivo espaço para aulas e ensaios de seus jovens instrumentistas, em um anexo parcialmente recuperado no Palácio Itaboraí. São quatro salas que irão propiciar maior comodidade para professores e para os quase 30 estudantes que frequentam aulas de teoria musical e de prática orquestral, além de estudos individuais de instrumento, permanecendo, em média, três tardes por semana no Palácio Itaboraí.

Criada em fevereiro de 2013, a OCPIT é um projeto sociocultural voltado à formação orquestral, humanista e profissionalizante de alunos da rede pública de ensino de Petrópolis, idealizado e mantido pelo Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, unidade da Fiocruz em Petrópolis. Os jovens recebem formação gratuita no período de quatro anos, por meio de aulas teóricas e práticas de música, além de apresentações regulares de concertos para diversos públicos, principalmente para escolas da rede pública de Petrópolis, com carga horária de 300 horas ao longo do ano. No decorrer dos seis anos de existência da Orquestra, quatro de seus egressos instrumentistas estão cursando o ensino superior de música, nos cursos de Licenciatura em Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, da Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF e da Universidade Católica de Petrópolis – UCP.

As pessoas que tiverem interesse em conhecer de perto o trabalho da Orquestra, vivenciar um pouco da dinâmica dos estudantes e apreciar o repertório atual da OCPIT podem participar, como ouvintes, dos ensaios abertos, que acontecerão duas vezes ao mês, às primeiras e terceiras quintas-feiras. A participação requer agendamento prévio, pelo telefone (24) 2246-1430, com Nina Mayer.

Os aprovados na primeira fase deverão comparecer ao Palácio Itaboraí no dia e horário indicados ao lado de seus nomes na tabela para a realização da entrevista, segunda fase do processo seletivo. A entrevista é obrigatória e faz parte do processo seletivo.

Informamos também que os atuais alunos da OCPIT convidam os aprovados para participarem, na terça-feira, dia 19/03, de um momento de integração onde haverá demonstração de cada instrumento. Esta atividade não é obrigatória e irá acontecer de 15h30 às 16h30. 

 
Piero Fagundes Torres, 19 anos, é o mais novo egresso da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí – OCPIT a ingressar na faculdade de música. Morador do Cascatinha, ele estudava no Colégio Estadual Irmã Cecília Jardim quando, em 2013, assistiu a uma apresentação da Orquestra na escola e, tempos depois, viu informação sobre o processo seletivo da OCPIT  no mural do colégio. “Eu tinha 14 anos e não me interessava pela música clássica, especificamente. Achava careta. Mas tinha um desejo enorme de aprender violão e minha família não tinha condições de pagar para eu fazer aulas. Eu estava procurando um curso gratuito de violão, porque queria ser ator, participar de musicais, e achei que era a hora de aprender música, pois sabia que a música poderia me complementar, como ator”, relembra Piero. “Quando vi a divulgação no mural da escola, achei que poderia ser uma oportunidade e cheguei em casa e pedi apoio aos meus pais, que, em toda minha trajetória, sempre me apoiaram. Tinha receio de não passar, porque eu não sabia nada de música, mas tinha vontade. Fiz uma entrevista pessoal e acho que foi aí que fui selecionado, com base no enorme desejo que tinha de tocar violão”, conta o jovem instrumentista, filho do meio de mãe que trabalha como secretária e o pai como estofador.
 
Piero ingressou na OCPIT em 2014 e conta que a jornada no início foi difícil, pois a Orquestra já tinha jovens que tocavam e ele se sentia perdido e desintegrado. “Mas a Orquestra é muito mais do que a música. É um lugar que se aprende sobre viver em comunidade. Sempre tive apoio para não me desestimular ou desistir, tanto dos coordenadores como dos amigos que fiz lá. E isso foi essencial para eu continuar. Eu ia às aulas, mas corria por fora, pedia ajuda dos professores e estudava muito em casa. Todo meu tempo livre dedicava ao meu violão. E foi dando estes primeiros passos no escuro que consegui avançar e, aos poucos, fui me integrando à Orquestra e descobrindo como a música clássica é interessante”, recorda Piero, com um sorriso genuíno no rosto. “Eu era meio individualista, queria aprender a tocar sozinho e seguir algo que estava na minha cabeça. Mas a Orquestra me ensinou muito mais que música. Me ensinou que temos que nos preocupar com todas as partes, porque se uma não funciona, a Orquestra não funciona. E na vida também é assim. Ali mudei muito minhas concepções. Com toda disciplina, conteúdo e valores, eu amadureci. Eu fui ajudado e também ajudei muitos amigos. Hoje, tendo encerrado meu ciclo, vejo o quanto eu cresci como pessoa e carrego comigo aprendizados da música e da vida”, avalia Piero.
 
A ideia de ser ator foi transformada e Piero quer ser músico, se especializar cada vez mais no violão, cursar a licenciatura e também o bacharelado e depois fazer uma pós graduação. “Eu passo boa parte do meu tempo com o violão e pensei: porque não levar isso como profissão, trabalhar com o que amo fazer? Não é um esforço, é um prazer. Algumas pessoas já tentaram fazer minha cabeça, mas estou certo: eu quero ser músico, intérprete, um violonista, e ir aprendendo até onde meu violão me levar”, afirma, categórico, o jovem instrumentista.
 
Para ingressar na faculdade de música ele precisou se preparar e muito, pois o processo seletivo exige um conhecimento aprofundado e o candidato, além do Exame Nacional do Ensino Médio, o ENEM, precisa passar no Teste de Habilidade Específica, o THE, para o qual ele contou com o apoio dos professores e amigos da Orquestra. “Quando eu vi que outros amigos da Orquestra, que vieram antes de mim, passaram, eu me senti encorajado a também buscar este caminho, e estou muito contente que consegui!”, comemora Piero, que, no próximo mês, dará início aos seus estudos na Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF.

Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí realizará quatro concertos gratuitos em dezembro 

Apresentações serão nos dias 08, 11, 12 e 19 de dezembro.

 

No dia 08, próximo sábado, 19 jovens instrumentistas da Orquestra sobem ao palco do Lago Quitandinha, às 17h, dentro da programação oficial do “Natal É a Gente Que Faz”, promovido pelo sistema Fecomercio/RJ, Sesc/RJ e Senac/RJ.

Já os concertos dos dias 11 e 12 terão lugar no Cineteatro do Museu Imperial, ambas as apresentações às 18h30, com a presença dos 27 integrantes. No repertório estão obras de grandes compositores, como Bach, Beethoven, Schubert, Mozart, Tchaikovsky, Guerra-Peixe, entre outros. 

E para encerrar os concertos de 2018 a Orquestra também vai fazer parte da apresentação dia 20, na Praça Dom Pedro II (Praça da Águia), às 20h do Concerto de Natal do Coral Integração com a participação de Mafalda Minnozzi (estrada franca).

 

Embora as quatro apresentações tenham entrada franca, os concertos que acontecerão no Cineteatro do Museu Imperial estão sujeitos à lotação. Por esta razão,  para estas apresentações dos dias 11 e 12/12, é necessário reservar (máximo de 2 por CPF) o ingresso pelo telefone (24) 2246-1430, pelo email forumitaborai@fiocruz.br ou presencialmente no Palácio Itaboraí, sede do Fórum, localizado à Rua Visconde de Itaboraí, 188 – Valparaíso.

 

Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí realizará concertos no Cineteatro do Museu Imperial nos dias 11 e 12 de dezembro

As apresentações são totalmente gratuitas e as vagas limitadas. Os interessados já podem reservar os convites através dos canais de comunicação do Fórum Itaboraí, listados abaixo.

As apresentações começarão às 18h30 mas recomendamos a chegada com 30 minutos de antecedência para a retira do convite no saguão do Cineteatro.

A apresentação do convite é obrigatória.

 

Programa das apresentações:

*Georg Friedrich Haendel (1685-1759) - Bourré

*Johann Sebastian Bach (1685-1750) - "Gavotte" da Suíte Orquestral n°3

*Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) - Uma Pequena Serenata Noturna - 1°movimento

*Ludwig van Beethoven (1770-1827) - "Marcha Turca" do balé "As Ruínas de Atenas"

*Franz Schubert (1797-1828) - Serenata

*Piotr Ilich Tchaikovsky (1840-1893) - "Cena" do balé "O Lago dos Cisnes"

*Edvard Grieg (1843-1907) - 4°movimento da Suíte "Peer Gynt" n°1

*Claude Debussy (1862-1918) - Prelúdio n°8

* Alexandre Levy (1864-1892) - Reverie

*César Guerra-Peixe (1914-1993) - Mourão

*Antônio Gastão (1962- ) - "Abertura" da Cantata de Rezende

 

Informações sobre os concertos: 

Datas: 11 e 12 de dezembro de 2018 (especificar a data desejada).

Horário: 18h30
Local: Cineteatro Museu Imperial (prédio da Biblioteca do Museu)
Endereço: Bosque do Imperador s/n - Centro - Petrópolis

 

Informações para a reserva do convite:

Reserva limitada a 2 convites por CPF
Período: Até 10/12 ou até a retirada total dos convites
Horário: de segunda a sexta, de 8h às 17h
Local: Palácio Itaboraí
Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 188 - Valparaíso - Petrópolis
Telefone:(24) 2246-1430
Email: forumitaborai@fiocruz.br

 

Para conhecer mais sobre a OCPIT e sobre outros projetos do Fórum Itaboraí, acesse: http://www.forumitaborai.fiocruz.br/ e https://www.facebook.com/forumitaborai/

Jovens músicos da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí participam de festivais de música no estado do Rio

Stephanie Alves (16 anos) e Piero Fagundes (19 anos), integrantes da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí – OCPIT, contam como foi participar pela primeira vez de festivais de música no estado do Rio de Janeiro, no final das férias escolares, quando vivenciaram novas oportunidades de aprendizådo e mostraram um pouco de seus trabalhos. 

“Participar do 16o. Festival do Vale do Café, em Vassouras, foi muito construtivo. Desde poder ter aula com o violonista Turíbio Santos, que além de ser um grande músico,  conviveu com Villa-Lobos, maestro e compositor brasileiro de quem vem 90% do meu repertório como intérprete. As orientações vindas do prof. Turíbio agregaram muito mais qualidade ao meu trabalho. Também pude aprender e trocar experiências com outros participantes que tocam o mesmo instrumento que eu e até o mesmo repertório. E, algumas dessas pessoas que conheci, já estão dentro da realidade da universidade, que é onde quero estar no ano que vem. Foi muito bacana!”, conta Piero, que participou deste Festival gratuitamente, depois de passar por um processo seletivo que levava em conta o envolvimento com a música e a participação em projetos sociais. Piero vem se preparando para realizar, no final deste ano, o Teste de Habilidade Específica, o THE, necessário para ingressar no curso superior de música.

Stephanie é violoncelista e estudante do segundo ano do Ensino Médio do Liceu Municipal de Petrópolis. Como Piero, ela também quer seguir na carreira de música, cursando bacharelado, licenciatura e se especializar em musicologia. 

Stephanie e mais outros seis jovens integrantes da Orquestra participaram, também no final de julho último, do 2o. Festival Conexões Musicais da Universidade Federal Fluminense – UFF, em Niterói. “Foi muito bom, porque é um ambiente em que você convive com outras pessoas que também querem a música para a vida delas, além de professores com muita sensibilidade, experiência e muito afeto. A experiência me permitiu  também, saindo um pouco do meu próprio mundo, entender melhor o meu lugar, o nível do trabalho que desenvolvo com a música e como posso melhorar com aquilo que recebi”, conta Stephanie, concluindo que “escolher o violoncelo, tocar este instrumento, foi a melhor decisão que já tomei na minha vida!”

Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí confirma participação na Bauernfest 2018, em Petrópolis.

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí fará uma apresentação especial na Bauernfest 2018, em Petrópolis. O concerto, que faz parte da programação oficial do evento, será realizado no domingo, dia 1º de julho, às 12h no Palco Koblenz. A apresentação será totalmente gratuita e aberta ao público. Confira a programação do evento: https://www.bauernfestpetropolis.com